Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Continuam os protestos dos trabalhadores da PT contra a transferência de muitos deles para outros locais. Ontem foi no Porto, junto às intalações da empresa. Na 6ª feira dia 21 houve greve e manifestação em Lisboa.

O governo está à espera do relatório da Autoridade das Condições de Trabalho para intervir. Os trabalhadores dizem que a Altice está a actuar de forma ilegal. O mais caricato é que os trabalhadores continuam a trabalhar no mesmo local de trabalho mas a trabalhar para outra empresa.

Uma ex-funcionária da PT, que falava ontem no Jornal da Tarde em directo, dizia que o que se está a passar é como se ela trabalhasse para uma marisqueira e tivesse de ir trabalhar para um café mas continuasse a vender marisco.

A Altice não pode fazer tudo o que quer.

Diálogo entre o sindicato e a administração não há.

Os partidos à esquerda dizem que a solução é voltar a ter a PT nas mãos do estado. E tudo começou com a venda da golden share pelo governo de Passos Coelho.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:57

Mais de um mês depois do terrível incêndio de Pedrogão Grande, agora a polémica é quanto ao número de mortes - oficialmente são 64 mas uma empresária fala em muitos mais. O governo não sabe de mais vítimas e as autoridades locais também não.

A empresária é de Lisboa e esteve ontem na TVI. Diz que quer construir um memorial e ao conversar com familiares das vítimas, vizinhos, agências funerárias e bombeiros elaborou uma lista que publicou na sua página no Facebook. Segundo os relatos recolhidos por ela a estimativa pode ir até às 108 vítimas mortais.

No Expresso deste sábado, falava-se uma senhora que tinha fugido do incêndio e que foi atropelada. As autoridades sabiam do caso mas não consideraram que ela fosse considerada uma das 64 vítimas do incêndio.

Em relação aos outros mortos, a empresária diz que há casos que não foram comunicados às autoridades.

A SIC analisou os dados divulgados e diz que há nomes repetidos.

Outro problema é que a lista oficial de 64 vítimas está em segredo de justiça.

Toda esta polémica tem de ser esclarecida rapidamente.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:51

Mau jornalismo

21.06.17

Ontem o mau trabalho de alguns jornalistas marcou o dia dos incêndios em Pedrogão Grande e Góis. O mais grave foi anunciarem que um Canadair espanhol tinha caído. Só passado mais de 1h30m se ficou a saber que afinal tinha sido uma botija de gás que explodiu, depois da Protecção Civil ter investigado o que aconteceu.

Depois foi a história que o secretário de estado da administração interna Jorge Gomes teria abandonado o centro de operações e afinal apenas vimos o carro a ser retirado do local onde estava por razões de segurança.

Já na 2ª feira muita foi a polémica a envolver a jornalista Judite de Sousa, que numa reportagem surgia ao lado do corpo coberto por um lençol branco, num perímetro de segurança delineado pelas autoridades. - "Está um corpo aqui ao meu lado, de uma senhora, que ainda não foi recolhido, apesar de os bombeiros se encontrarem muito perto deste local”, disse Judite Sousa.

Parece que a CMTV, no domingo, teve mais um recorde de audiência. As outras televisões reagiram levando para o locar um grande número de jornalistas, os mais conhecidos, mas as notícias que foram divulgando deixaram muito a desejar.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:50

E agora?

20.06.17

Depois da tragédia, agora procuram-se os culpados. A oposição pede a cabeça da ministra da administração interna e do ministro da agricultura. Até se critica o presidente por dar abraços aos membros do governo.

Nas televisões muitos especialistas e alguns comentadores falam sobre o assunto. Tem-se falado muito dos eucaliptos mas esquecem-se que a região atingida é a do Pinhal interior. Será que os comentadores sabem distinguir um eucalipto de um pinheiro. Também se ataca muito as celuloses. O que vou vejo quando ando pelo país é que os eucaliptais estão limpos, o mesmo não acontecendo em pinhais, que muitos estão ao abandono. Muitas vezes nem se sabe a quem pertence esses terrenos.

Pela zona atingida, espera-se agora uma escolha com critério das espécies a plantar. Se calhar, não plantar só pinheiro bravo.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:19

Horror

19.06.17

Ontem acordámos com a tragédia em Pedrogão Grande e com o número de morte sempre a aumentar durante toda a manhã. O números ficaram em 62 mortes e 62 feridos. Só me lembro de tragédias maiores em alguns dos piores atentados terroristas dos últimos anos.

Nacional 236-1.png

Conheço bem a região onde aconteceu a tragédia. Passei pela estrada onde morreram mais 30 pessoas há 1 ano quando fui passar um fim de semana a Góis. Também em 2014 andei por aqueles lados a conhecer as belas praias fluviais da região.

Chocantes as imagens da SIC, tiradas a partir de um drone na estrada N236-1.

Não se pode culpar ninguém pelo que aconteceu. Quem iria imaginar que todo o calor que esteve este fim de semna iria ser tão trágico. Quem aceitaria ser evacuado por haver incêndios na região, deixando para trás tudo o que têm? A limpeza dos terrenos também não resolveria. As populações daquela região já estão habituadas a incêndios e mesmo assim muitos não se conseguiram salvar. Com a ventania que ocorreu ontem o que se poderia fazer?

Agora a prioridade é o apoio a quem sobreviveu e perdeu tudo.

 

Foto do Google Maps.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:01

Ontem à tarde tive de passar pela Avenida Marechal da Costa, vindo da 2ª Circular. Já passava por ali há algum tempo. Por cima da estação de serviço na Rotunda do Relógio está agora uma vinha. Fui pesquisar sobre o assunto, quando cheguei a casa.

vinho lisboeta.JPG

Trata-se do Parque Vinícola de Lisboa, um projecto que resultou de um protocolo firmado entre a Casa Santos Lima, de Alenquer, e a Câmara Municipal, que tem objectivos pedagógicos, de promoção da cultura da vinha e visa ainda divulgar o nome de Lisboa como região produtora de vinho. O investimento foi de cerca de 115 mil euros e, depois de plantadas as vinhas em 2015, espera-se que a vindima passe a ter alguma expressão este ano. O responsável de marketing e vendas da Casa Santos Lima, estima produzir cerca de 20 mil garrafas de vinho por ano provenientes do parque.

Será que o vinho será de boa qualidade, tendo em conta, que por ali há muita poluição? 

 

Foto do site do DN.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:04

Peregrinos

02.05.17

No domingo fui até Coimbra. Já não ia lá há muito tempo. Sobre a visita falarei amanhã.

Hoje quero falar dos muitos peregrinos por quem passei, na Nacional 1, entre Leiria e Coimbra. É uma grande dureza fazer uma caminhada destas até Fátima. Acredito que muitos não fazem esta peregrinação para pagar uma promessa mas porque está na moda fazer caminhadas. 

A semana passada até estreou um filme sobre a peregrinação a Fátima

Não eram em grandes grupos como costumo ver na Nacional 10 entre Alverca e Vila Franca de Xira, por esta altura. Vários troços da estrada que tinham 2 faixas tinham uma divisória para os peregrinos circulassem na faixa da esquerda. Havia também muitos carros de apoio. Junto dos cafés muita gente descansava da caminhada.

Nas zonas mais apertadas, com apenas 1 faixa de rodagem e com pouco espaço na berma, muitos não circulavam em fila indiana, caminhando aos pares, o que era muito perigoso. Também reparei em muitos a virem a mexer no telemóvel em vez de estar a olhar para a estrada.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:46

Laço azul

26.04.17

Para além do cravo, na noite de 2ª feira, no Pavilhão Paz e Amizade, também estavam a distribuir laços azuis.

laço azul.jpg

O mês de Abril é também o mês da prevenção dos maus tratos na infância - "Abril afetos mil". O símbolo desta campanha é um laço azul. Tudo começou em  1989, na Virgínia, Bonnie W. Finney, amarrou uma  fita azul à antena do seu carro para denunciar uma situação de maus tratos. Os netos tinham sido maltratadas pela mãe (filha de Bonnie) e pelo namorado e o azul representava as nódoas negras.

A Organização Mundial de Saúde define abusos ou maus-tratos às crianças como todas as formas de lesão física ou psicológica, abuso sexual, negligência ou tratamento negligente, exploração comercial ou outro tipo de exploração, resultando em danos atuais ou potenciais para a saúde da criança, sua sobrevivência, desenvolvimento ou dignidade num contexto de uma relação de responsabilidade, confiança ou poder.

É preciso denunciar e falar deste assunto pois há muito por fazer por todo o mundo. Em Portugal é à CPCJ (Comissão de Protecção de Crianças e Jovens) que chegam muitos casos de abusos e maus tratos mas como os meios não são os suficientes, muitas vezes pouco se pode fazer.

 

Foto daqui.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:21

135917

13.03.17

Na 6ª feira o Diário de Notícias trazia uma reportagem sobre um anúncio pulicado no jornal há 100 anos. O anúncio previa Fátima 2 meses antes.

DN11032017.jpg

O título era "135917", a data da 1 ªaparição de Fátima na Cova da Iria. O texto dizia: "Não esqueças o dia feliz em que findará o nosso martírio. A guerra que nos fazem terminará". Na reportagem também se fala de uma notícia que surgiu no Jornal de Notícias de 13 de Maio de 1917, escrita a partir de um postal enviado à redação 2 dias antes, que refere que: "No dia treze do corrente, hade dar-se um facto, a respeito da guerra, que impressionará fortemente toda a gente."

Os responsáveis pela colocação destes anúncios foram os centros de espiritismo de Lisboa e do Porto, uma atividade muito em voga à época.

Será que tudo o que se passou em Fátima estava mesmo combinado?

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:20

No sábado o Diário de Notícias trazia em 1ª página que "Mais de 200 refugiados já fugiram de Portugal". No domingo Paulo Baldaia reflectia sobre o verbo que utilizou no título "fugir" ou "partir".

DN 11022017.jpg

Para mim o verbo foi bem utilizado. Os refugiados como são obrigados a permanecer nos países onde são colocados, se sairam é como se tivessem fugido. Muitos acreditam que terão uma vida melhor se forem para a Alemanha ou para um país nórdico. A muitos portugueses não são dadas tantas oportunidades como aos refugiados. Não crítico a vinda deles, pois de onde vêm a vida é muitas vezes impossível, mas crítico-os por não quererem ficar por cá. Se calhar depois arrependem-se de ter fugido de Portugal.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:04



Astronomy Picture of the Day


Música do dia

anteriores

Tira do Armandinho