Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Foto do dia 120

30.04.19

Esta tshirt que comprei no Museu de Ciência, em Valência, foi um enorme sucesso hoje na escola.

IMG_20190430_180816.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48

Ontem a galáxia elíptica M87, também chamada Virgo A, por estar  na direção da constelação de Virgem, foi notícia. Esta galáxia foi descoberta em 18 de Março de 1781 por Charles Messier, está a 60 milhões de anos-luz da Terra e tem 125 mil anos-luz de diâmetro, sendo assim uma das maiores galáxias elípticas conhecidas.

 Em 1918, Heber Curtis descobriu que do seu núcleo saia um jacto gigantesco de matéria que se estende por mais de 8 000 anos-luz. De acordo com investigações realizadas com o Telescópio Espacial Hubble, havia evidências da existência de um buraco negro supermassivo com cerca de 2 a 3 biliões de massas solares no centro de M87.

Ontem foi divulgado que se tinha conseguido uma imagem, de ondas de rádio, desse buraco negro graças à observação feita a partir de 8 radiotelescópios ao redor do mundo que juntos criaram um telescópio virtual com o diâmetro da Terra. A massa agora estimada do buraco negro é de 6,5 biliões de vezes a do Sol.

O próximo buraco negro a ser "fotografado" será o do centro da Via Láctea.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:29

No passado dia 18 de Dezembro caiu no Mar de Bering, no extremo norte do oceano Pacífico, um meteoro que ao entrar na atmosfera terrestre provocou uma explosão que libertou 10 vezes mais energia do que a bomba atómica lançada no final da II Guerra Mundial sobre Hiroxima, no Japão. 

A explosão foi detectada pelos satélites militares dos Estados Unidos e divulgada pela sua Força Aérea, que alertou a NASA, que agora divulgou a notícia.

Esta foi a 2ª maior bola de fogo registada nos últimos 30 anos e tratou-se da maior explosão registada na atmosfera terrestre desde que uma bola de fogo atravessou o céu sobre Cheliabinsk, na Rússia, em Fevereiro de 2013. Este tipo de explosão de um meteoro na atmosfera da Terra só ocorre, em média, 2 a 3 vezes a cada 100 anos.

Estima-se que todos os dias caem na Terra 48,5 toneladas de matéria meteórica mas a maior parte dela desfaz-se em poeira ao entrar na atmosfera.

Em 2005, o Congresso dos Estados Unidos incumbiu a NASA de identificar 90 por cento dos asteróides de tamanho igual ou superior a 140 metros que se aproximassem da Terra, até 2020. Contudo, a NASA estima que são necessários mais 30 anos para cumprir esta diretriz. Se for determinada com precisão a órbita dos meteoros, a NASA conseguiria prever as zonas da Terra que seriam atingidas.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:27

Foto do dia 29

29.01.19

Tabela periódica humana no Técnico (foto daqui).

IMG_20190129_210955.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:13

Foto do dia 24

24.01.19

Hoje esteve na escola um astrofísico para falar sobre o espaço com alunos de 2 turmas do 7o ano.

IMG_20190124_101324.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:44

Foto do dia 23

23.01.19

Os alunos do 2o ciclo estiveram a fazer plástico a partir de batata.

IMG_20190123_151958.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:24

Foto do dia 21

21.01.19

O eclipse da Lua desta madrugada visto no telescópio.

IMG_20190121_045328.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:41

Foto do dia 11

11.01.19

A Lua ontem ao final da tarde, ao telescópio.

IMG_20190110_174059.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39

Foto do dia 8

08.01.19

Hoje é o dia da Rotação da Terra.

250px-Rotating_earth_(large).gif

 

Foto daqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:19

A 120 ua

20.12.18

Scott Sheppard (da Instituição Carnegie para a Ciência, em Washington), David Tholen (da Universidade do Havai) e Chad Trujillo (da Universidade do Norte do Arizona) descobriram o objecto até agora mais distante do Sistema Solar. Tem uma cor rosada, devido ao gelo, e está a 18 000 milhões de km do Sol (120 ua) e por ser tão remoto e invulgar, decidiram dar-lhe a alcunha de Farout (do inglês “longínquo”, “invulgar”, “bizarro”, “extraordinário”). Por enquanto o nome provisório é  2018 VG18.

Tem um diâmetro de 500 a 600 km e por isso é um dos muitos planetas anões da Cintura de Kuiper. Em todo o Sistema Solar já foram classificados 50 objectos como planetas anões. O maior é Plutão, com 2370 km de diâmetro, que se encontra a 34 ua do Sol, seguindo-se Éris, com um diâmetro de 2325 km, a 96 ua.

Farout poderá demorar de mais de 1000 anos a completar uma órbita ao Sol.

 

Há 1 ano aqui na Espuma dos Dias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:44



Astronomy Picture of the Day